20 12 2007

EUNÃOTÔCOMVONTADEDECOMPRARPRESENTEPRANINGUÉM!

Pronto, falei.





12 12 2007

Ou minha TPM adiantou, ou as pessoas estão incrivelmente irritantes.





10 12 2007

O trânsito em São Paulo está complicadíssimo nos últimos dias. Não tem mais dia, nem hora. Fica tudo parado em qualquer lugar, a qualquer hora. Mesmo.
Parece que as pessoas ficam enlouquecidas com a proximidade do Natal. Não dá pra entender.
Pra ajudar, o povo resolve admirar as decorações dos prédios de dentro dos seus carros, enquanto dirigem. Tem gente que pára no meio do caminho, sem a menor cerimônia, e os carros que tão atrás que se lasquem. Afinal, é Natal. E Natal foi feito pra darmos presentes e enfeitarmos até o cu do Satanás, ou não?

Ontem, domingo, eram 21h e o trânsito estava parado na Paulista. Gente, NOVE HORAS DA NOITE EM UM DOMINGO!
Duas das três faixas estavam travadas por causa de motoristas cretinos que queriam ver os papais noéis idiotas que cantam na porta de sei lá que banco imbecil. As milhares de luzes (que pra mim são um desperdício ridículo de energia elétrica) dos outros prédios também são disputadas pelos motoristas sem noção.
Passando a parte mais enfeitada da avenida, o trânsito… PUF!… desapareceu.

Gente, façam um favor pra tia Cartola? Vão ver a decoração na casa do caralho, sim? Mas estacionem seus carros quando chegarem lá. Assim vocês podem ver a estrela do Santanás mais de perto. Sabem como é, ela tá num lugar escuro.





Conto de aniversario*

6 12 2007

Ontem eu estava trabalhando em casa, com a gata operada repousando na cadeira do meu lado.
De repente a gata doida dá um pulão da cadeira e corre pra um canto. Ela parecia estar caçando alguma coisa. Ficava parada, agachada, preparando o bote, logo em seguida pulava em direção a alguma coisa que, de início, achei que fosse um espírito.
Cheguei perto e vi que não era se tratava de um fantasma, mas sim de uma barata. Saco.
“Puta que pariu, a cretina vai comer uma barata na minha frente e eu vou ser obrigada a vomitar em cima do meu trabalho. Acho que o cliente não vai entender”, pensei.
Corri pra segurá-la e matar a barata, tudo ao mesmo tempo agora. Mas ficou difícil. Eu sou um tantinho atrapalhada, sabem?
O que aconteceu? Segurei a gata, quase quebrei a perna (a minha, não a da gata) e a barata fugiu.
Ok, a gata estava salva. Meu trabalho também.
Mas tinha uma barata comigo na sala. Argh.

Fui atrás da barata no canto onde ela se enfiou. Ela pôs a cabecinha pra fora e eu, pimba!, pisei nela. De leve.

Agora, um aviso: daqui pra frente o post pode ficar bem nojento.

Bom, pisei na dita. Ouvi PLAC. Tirei o pé de cima. A barets tava com metade das tripas pra fora. Gosminha e tudo.

Eu avisei…

A barata não mexia nem uma anteninha.
Fui tomada de um sentimento de culpa inacreditável. Sim, eu tenho dó de matar baratas. Eu sei que elas são nojentas e nocivas, mas eu tenho dó, tá?
Ela é um ser vivo. Um ser nojeto, mas vivo. Não gosto de tirar vidas.
Enquanto ia buscar papel higiênico pra recolher o corpo, comecei a pensar na família da barata morta, as baratinhas órfãs pedindo esmola nos faróis, as baratas amigas revoltadas que iriam me esperar sair de casa pra realizar sua vingança, talvez me cortar em milhares de pedaços e levar cada um deles pra um canto da cidade… essas coisas que acontecem quando a gente mata uma barata. Porque baratas são vingativas, acreditem.
Cheguei com o papel perto da barata esmagada com as tripas pra fora, abaixei, respirei fundo e pus o papel em cima dela. Fiz um minuto de silêncio e a filha da puta da barata saiu correndo!
Cara, a barata correu com metade do bucho pra fora! Deixando um ligeiro rastro de gosma.

Pois é. Nojento. Eu aviseeeeeei!

A fênix se enfiou num buraco que eu não tinha acesso, claro. Cutuquei, mexi, bati pra ver se ela saía, e nada.
Agora eu tinha uma barata com metade do intestino pra fora junto comigo na sala. E uma gata miando desesperada, querendo entrar. Ótima situação.
Resolvi fazer o mais lógico: ignorar tudo aquilo e voltar a trabalhar como se nada tivesse acontecido. Afinal, a barata morreria em breve e a gata desistiria logo.

Sentei, fiz um instante de reflexão, ouvi uns miados e voltei ao trabalho.
E quem disse que eu conseguia trabalhar? Impossível.

Decidi pôr a gata pra dentro pra ver se a demônia parava de miar, mas a cretina não ficava quieta no canto dela. Queria porque queria ir no buraco onde a moribunda estava. Fiquei indignada com a falta de respeito da gata com um ser que estava nos seus últimos momentos de vida, e com medo dela comer a barata e seu respectivo bucho exposto na minha frente, já que vomitar tinha sido posto fora de cogitação no começo dessa história.
Pus a gata pra fora de novo.
Nesse momento ouvi passinhos fracos. Era a barata saindo da toca.
Nunca vivi um momento de tamanha dúvida: matar a criatura de uma vez e agüentar a vingança – e a vingança, minha gente, vem a cavalo, lembram? Pense em quantas baratas cabem num cavalo! – ou socorrer a pobre e ficar com a consciência tranqüila?
Como eu não sei enfaixar abdômen baratal, e minha irmã veterinária não estava em casa, resolvi acabar com o sofrimento. Imaginando onde os pedaços do meu corpo iriam parar depois de ser esquartejada, pisei com vontade dessa vez. PLAC!
Tirei o pé de cima devagar. Cutuquei o corpo com um palitinho, mexi na antena com o mesmo palitinho, e nada. Dessa vez ela tinha ido mesmo.
Recolhi o cadáver. Joguei no lixo.

Essa noite sonhei com baratas invadindo minha casa (nada de cavalos, estranho). Hoje de manhã, quando saí de casa, olhei bem quem estava na rua antes de abrir o portão. No caminho, prestei bastante atenção pra ver se alguém me seguia. Por enquanto parece tudo normal, ou pelo menos é nisso que ELAS querem que eu acredite.

*O blogger não aceita acentos nos títulos quando escritos em MAC. Lamento o transtorno. Mas sei que vocês sobreviverão.





TRIN-TA-CA-RA-LHO!

6 12 2007

Então. Eu tava em crise até a semana passada. Mas passou.

É, macacada, é esquisito. Trinta anos é meio que um marco. Antes dos trinta, tudo que a gente pensa pro futuro, acaba passando pelo “quando eu tiver trinta…”. Aííííííí chegam os trinta eeeeee não é nada daquilo. NADA!
De cara, a sensação que é fica é que você não fez porra nenhuma na sua vidinha inútil. Você não conquistou nada, não aprendeu nada, não realizou nada. Nada de nada. Você é uma bosta! SIMATA!
É aí que você deixa de bichice, cai na real e se sente ridícula escrevendo esse post.

Sente só…

Quando criança, eu achava que com trinta eu estaria no fim da vida, velha e acabada.
No fim da adolescência, achava que eu seria uma profissional de sucesso, com uma carreira sólida e estável. Estaria casada e com filhos.
Há uns cinco anos, achava que eu ia morrer sozinha, num emprego de merda, ganhando mal (é, foi uma época difícil).

Vamos ver…

Não tô no fim da vida. Me sinto até que bem. Melhor quando eu emagrecer os 20 quilos que eu vou emagrecer, mas tô bem.
Não tenho uma carreira sólida e estável. Mas, pela primeira vez, trabalho numa empresa decente, meu trabalho é reconhecido e ganho um salário até que justo. Ah, sim, eu sou feliz fazendo o que eu faço (bem).
Não vou morrer sozinha. Tá, também não estou casada e com filhos. Mas encontrei o homem da minha vida, que me ama tanto quanto eu a ele, e ter essa certeza já é mais do que eu esperava ter um dia. O resto é conseqüência.

Resumindo, tô bem na fita.
Tô bem comigo, com a minha família, com os meus amigos, com o trabalho…

E que venham mais trinta.

Er… péra… com mais trinta, eu vou ter sessenta.
Ai, caralho! Logo, logo eu vou ter SESSENTA ANOS! Velha e acabada! No fim da vida!
SOCORRO!





4 12 2007

Vocês tão sabendo do esquema das notas fiscais que tá rolando aqui em São Paulo?
Se você pedir nota fiscal com CPF, parte do valor do imposto pago vira crédito pro CPF cadastrado – no caso, você -, podendo ser usado, inclusive, pra desconto no IPTU.

Cadastre-se (e saiba mais informações) aqui.

Tava atrás desse site há dias. Acabei de achar na Zel. 🙂





4 12 2007

Tenho nada pra fazer hoje. E não posso ir pra casa.
Vai ser um longo dia…